Demanda aquecida e liberação de recursos para safra 2018/19

1 de fevereiro de 2018 - 12:08

Para safra 2018/19

COM DEMANDA AQUECIDA POR BIODIESEL, MATO GROSSO ESMAGA RECORDE DE SOJA:

Na última semana foram divulgados os dados de esmagamento de soja em dezembro no Estado. Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) foram esmagadas, no último mês do ano, 682,6 mil toneladas, resultado que representa um recuo de 22,62% ante a novembro.

Conforme o Imea, mesmo com esta retração, o ano de 2017 registrou volume histórico de soja esmagada em Mato Grosso, de 9,37 milhões de toneladas, muito próximo dos dados estimados no último levantamento de demanda interna. “Isso se deve, principalmente, aos consideráveis volumes disponíveis da soja em grão, provenientes de uma safra recorde”, aponta o instituto.

Outro fator importante que puxou o esmagamento, segundo o Imea, foi a demanda aquecida, principalmente pelo óleo de soja para a produção de biodiesel, este que hoje é a principal matéria-prima utilizada na produção do biocombustível. “Já para 2018, espera-se que a demanda continue aquecida, no entanto com uma leve retração, sendo estimadas 9,01 milhões de toneladas de soja a serem esmagadas para este ano, de acordo com a última estimativa de oferta e demanda”.

-----------

PRODUTORES MATO-GROSSENSES TERÃO R$ 1,9 BILHÃO PARA SAFRA 2018/19

O Banco do Brasil anunciou nesta terça-feira a oferta de R$ 12,5 bilhões para contratação de custeio antecipado para a safra 2018/2019. Deste total, R$ 1,970 bilhão são assegurados aos tomadores de crédito em Mato Grosso. O recurso é destinado à aquisição de insumos e serviços agropecuários por clientes de todos os portes. Em 2017, a instituição bancária liberou R$ 10,8 bilhões para Mato Grosso, por meio de 29 mil contratos.

Os recursos programados para as operações de pré-custeio, recém-anunciados pelo presidente do Banco do Brasil, Paulo Cafarelli, estão 16% acima do valor aplicado em 2017 para todo o país. Serão disponibilizados recursos controlados aos médios produtores, no âmbito do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), com taxas de 7,5% ao ano. Aos demais produtores, a taxa de juros anual alcança 8,5% ao ano.

Segundo Cafarelli, as lavouras de soja, milho, arroz, algodão e café poderão ser custeadas antecipadamente ao início da safra 2018/2019, com teto de financiamento de R$ 3 milhões por produtor. Para os clientes com demanda superior aos tetos desses recursos, o BB oferece alternativas de financiamento com funding letras de crédito agropecuário (LCAs).

FCO:

Em 2017, o BB contratou mais de R$ 8,3 bilhões em recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), valor 91% superior ao de 2016. Para o agronegócio foram mais de R$ 6,3 bilhões, liberados por meio de 17 mil contratos. O resultado é atribuído pela administração do banco às Caravanas do FCO, que encerraram 2017 com 76 etapas no Centro-Oeste e Distrito Federal.
.
.
.
Matérias extraídas do site: http://agronoticiasmt.com/