Dicas de manejo para alta produtividade

8 de dezembro de 2017 - 10:00

Uma série de fatores produtivos, como a sustentabilidade e a rentabilidade, permitem o sucesso da sua lavoura

A alta demanda gera necessidade do aumento da produtividade por área plantada. Uma série de fatores produtivos, como a sustentabilidade e a rentabilidade, permitem o sucesso da atividade agrícola.

Mas quais ações de manejos podem fazer a diferença para a alta produtividade da soja?

1 – O diagnóstico do solo:

Um bom diagnóstico favorece um eficiente manejo. O sucesso para um perfil de solo correto está no conhecimento e informações sobre as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Saber o máximo sobre essas propriedades dará o direcionamento para o correto manejo da soja e a necessidade ou não de intervenções, sejam elas de cunho cultural ou mecânica.

Levantamento das propriedades físicas, químicas e biológicas é a principal ferramenta de diagnóstico. Se realizada corretamente, gera informações do solo para o correto manejo da compactação, correção e adubação. De acordo com a EMBRAPA e ABRACAL, existe o risco de os produtores perderem parte dos investimentos com adubação, pelo simples fato de adiar a correção do solo.

2 – Certifique-se dos padrões de qualidade da semente:

A qualidade das sementes de soja se resume em quatro atributos: genético, físico, fisiológico e sanitário. A ABRASS (Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja) estima que aproximadamente 30% da safra brasileira é de sementes piratas. A consequência disso são sementes de soja de qualidade inferior com potenciais riscos fitossanitários, uma vez que as sementes são veículo de doenças (Mofo branco, por exemplo), podendo contaminar as lavouras e reduzindo a produtividade da soja.

3 – Proteção de plantas:

O correto manejo de plantas invasoras, pragas e doenças é primordial em lavouras de altas produtividades. Mas promover a proteção das plantas para diminuir a incidência de pragas e a evolução das doenças não é uma simples tarefa. De acordo com dados recolhidos pelo CESB, áreas de altas produtividades não permitem erros de manejo, uma vez que essas áreas são mais sensíveis e qualquer manejo errado pode reduzir significativamente a produtividade Algumas plantas daninhas resistentes aumentam custo de produção em até 222%.
Veja algumas táticas de manejo utilizadas em áreas de alta produtividade de soja e que podem fazer a diferença se bem-feitas:

• Diagnosticar, levantar e monitorar continuamente as principais plantas invasoras, pragas e doenças existente na área;

• Instalar área de refúgio e rotacionar mecanismos de ação e princípios ativos de herbicidas, inseticidas e fungicidas, com o intuito de evitar problemas de resistência ao controle químico;

• Utilizar produtos de precedência, ou seja, de primeira linha, além de respeitar a bula do produto seguindo as orientações;

• Monitoramentos frequentes, observando a eficiência das operações de controle;

• Manejar considerando as condições climáticas e período do dia que confere maior eficiência de utilização dos produtos e;

• Buscar a qualidade de aplicação, sempre se atentando nos quesitos: utilizar equipamentos conservados, pontas em bom estado e taxa de aplicação adequada.

4 – Produtividade:

O diagnostico é 50% do sucesso de uma lavoura de alta produtividade. As decisões de manejo precisam ser tomadas considerando os efeitos somatórios entre as práticas adotadas. Conhecer o solo, investir na qualidade das sementes, na correta adubação e no controle de plantas invasoras são o início de uma boa produtividade. A operação do maquinário também merece muita atenção.

A cada ano o Desafio Nacional do CESB, demonstra em números que as áreas que ultrapassaram a barreira de 100 sacas por hectare têm aumentado, já que produtores e consultores estão adequando e/ou utilizando corretamente as técnicas disponíveis. O CESB mantém a filosofia da “engenharia reversa”, que busca constantemente informações diretamente do campo.
.
.
Fonte: http://sfagro.uol.com.br