Exportação de milho é recorde no MT

23 de fevereiro de 2018 - 17:12

E pode refletir nos preços

Se a oferta é grande, a demanda também. Depois de colher a produção histórica de 30,4 milhões de toneladas na última “safrinha”, Mato Grosso agora faz história com o volume do grão embarcado para fora do país. De junho do ano passado até janeiro deste ano, nada menos que 19,2 milhões de toneladas de milho produzidas aqui foram exportadas.

O número supera em muito os embarques realizados em igual período do ano anterior (jun/16 – jan/17), quando pouco mais de 8,1 milhões de toneladas do cereal foram exportadas. Também ganha com folga da soma dos embarques entre jun/15 e jan/16, que foi de 13,9 milhões de toneladas embarcadas.

O desempenho alcançado até aqui já ultrapassa o volume total de exportação que o Imea prévia para o ciclo 2016-2017, que girava em torno de 17 milhões de toneladas. Para o gestor técnico do instituto, Paulo Ozaki, o resultado está diretamente relacionado ao tamanho da oferta do grão e pode, em contrapartida, ajudar na formação de um cenário interessante para os agricultores.

O raciocínio é simples: se o volume de exportações é maior que o previsto, a oferta nos estoques de passagem tende a encolher. Além disso, a expectativa é de que a produção de milho na nova “safrinha” caia significativamente no estado, em torno de 16,6%. Outro fator que pode ajudar na melhora dos preços é o resultado da safra Argentina (ainda uma incógnita) e, também, do volume colhido na primeira safra nos estados da região sul do Brasil.

Com apenas 27% da produção estimada da próxima safrinha negociados (10 pontos percentuais a menos que em igual período do ano passado), os agricultores estão – visivelmente – cautelosos com o futuro do mercado. A possibilidade de que uma soma de fatores contribua para melhora das cotações pode jogar uma pitada de otimismo no campo, num momento em que o sinal de alerta está aceso.
.
.
Fonte: Texto de Luiz Patroni. http://blogs.canalrural.com.br